Pular para o conteúdo principal

FOURTEEN - Dirigido por Dan Sallitt

Resultado de imagem para fourteen filme
"Fourteen" e o mórbido caos em que vivemos

"Fourteen" é o quarto filme de Dan Sallitt, embora seja o primeiro a ser distribuído comercialmente no Brasil. Ao ver esse seu trabalho recente bate uma imensa curiosidade acerca de seus outros cinco filmes, pois há um estilo em "Fourteen" que merece ser pensado em uma retrospectiva comparativa com outras histórias realizadas por ele, que pela leitura das sinopses, apontam também para discussões em torno de relacionamentos. Cria-se uma enorme expectativa em torno de Sallitt, já que tudo indica que há uma pesquisa detalhista sobre as relações humanas no mundo contemporâneo.

E a palavra contemporâneo aqui empregada deve ser ampliada ao máximo, na medida em que Sallitt fala a partir de nada mais nada menos do que Nova Iorque, a cidade mais cosmopolita do mundo. "Fourteen" discute distúrbios mentais, mas o faz não de um ponto de vista médico. Nele, o método de aproximação do tema é outro, muito mais em uma vertente psicossocial. As protagonistas são Mara (Tallie Medel) e Jo (Norma Zea Cuhling), duas jovens amigas desde à época escolar. A discussão do protagonismo no filme é interessante. Vemos a história a partir de Mara, mas no jogo narrativo de Sallitt ela é a única ponte que temos para adentrar na personalidade enigmática de Jo. Essa opção de perspectiva não nos permite acessar Jo muito intimamente, pois o nosso olhar sobre uma pessoa sempre será fragmentado, seletivo e incompleto, tal como o é o de Mara sobre a amiga. E como é fascinante o olhar enviesado proposto por Sallitt. Não há certo ou errado em "Fourteen", há vidas em choque, perplexidades, tentativas, esforços, impotências. "Fourteen" fala da imensa dificuldade de termos amigos nesse louco mundo contemporâneo. O trabalho de Tallie Medel, como Mara, é tocante, cada gesto e olhar são colocados com maestria tal que soa com uma simplicidade encantadora. Dá gosto vê-la em cena e a química com a bela Norma Zea Cuhling, interpretando uma carismática Jo, que também vale destacar. Vários personagens entram e saem de cena, mas Sallitt não perde a mão com as duas que estão sempre a conduzir a história.   
Resultado de imagem para fourteen filme"
O cerne de "Fourteen" não é inventariar o transtorno de Jo, sua inadequação psíquica e confortavelmente explicar tudo sob esse prisma. Há o elemento social, o confronto dela com os padrões rígidos impostos pelas famílias, os patrões, e o aprisionamento a partir do controle sobre o nosso tempo. O que é viver nessa contemporaneidade fluida, em que se vende uma ideia de liberdade, mas que contraditoriamente nos enclausura pela necessidade de se ter que correr atrás pelo sustento financeiro. A relação indivíduo e sociedade ocupa a centralidade nessa obra. Somos o fragmento desse mundo caótico e incontrolável. Como viver nossa parcela anônima, comportada na intimidade, quando nos é exigido sempre sermos algo de espetacular no ambiente público (mesmo que tudo seja dócil e domesticado)? Jo é uma navegante errante e titubeante nesse universo capitalista cruel. Mesmo sendo exuberante na vida sob determinados aspectos, ela nada mais é do um arremedo dela. Como ser integral quando somos fragmento?   

"Fourteen"pode parecer simples na camada mais superficial e aparente, como mais uma história dentre tantas outras que falam de relacionamento humano. Todavia com um olhar mais atento, ele pode ser visto como uma aula sobre cinema contemporâneo ao demonstrar que cinema é recorte, fragmento e o diretor se utiliza muito bem dessa natureza constitutiva para nos ofertar uma abordagem poética em que a fragilidade humana é a grande protagonista. "Fourteen" esboça um ensaio em que cinema e humanidade se equivalem em limitações. A força do filme vem dessa consciência de Sallitt sobre o seu fazer, o domínio que exerce da construção temporal. As elipses são precisamente educativas por nos induzir a pensá-las como tais. Quando Mara aparece grávida, Sallitt corta direto para uma cena em que uma criança de mais ou menos uns dois anos brinca no chão com a mãe. Em um só flash o diretor nos informa não só a passagem do tempo, mas também a duração aproximada e elimina até a necessidade de uma legenda informativa do tempo entre uma cena e outra. O longo tempo entre a gravidez e a criança no chão invoca por si uma reflexão sobre o papel da montagem no cinema, nos convida a imaginar qual o efeito desse salto na história, sobre o que mostrar ou não de uma história. A ideia nesse caso é do tempo, da distância entre Mara e Jo, e isso fica claro a seguir. As relações se configuram mesmo assim, com afastamentos e aproximações, e viver em grandes cidades é forçosamente aceitar essas condições. Nesses intervalos longos de tempo todos nos transformamos, nos tornamos distantes não só fisicamente, mas também como pessoas ao vivermos experiências e incertezas novas.

O próprio título "Fourteen" traz interrogações e dúvidas. Nenhum personagem tem essa idade e tão pouco são exaltados flashbacks para a juventude das personagens. Em mais um insight psicanalista de Sallitt, há sim uma relação com algo acontecido nos 14 anos de Jo. Entretanto, o que importa aqui é a maneira como o corpo presente carrega as informações do passado, não propriamente o passado em si. O trauma é algo sempre presente e assim precisa ser visto. Seu impacto temporal é que o faz ativo e perigoso. O controle social do tempo humano não resiste ao vazio existencial, à solidão inerente da vida e deflagrada pela inevitabilidade da morte. A contemporaneidade gerou uma doença social, pois o acúmulo da riqueza de uns depende do trabalho árduo de outros, que fazem a roda da fortuna se movimentar, mas que paralelamente e contraditoriamente, criou as tão propagadas famigeradas crises de ansiedade. Jo é um ser indócil e inadequado socialmente, um elemento nada dócil a ressoar uma crítica à contemporaneidade.

"Fourteen" fala de uma geração em que o casamento também se esfacelou. A intimidade hoje é o reduto máximo do novo individualismo líquido capitalista, o lugar do exercício da liberdade e da solidão. Mara tenta sair dessa caixinha aprisionante, mas como todos precisa tocar a vida. Essa é a expressão máxima do mundo contemporâneo, o da constatação da impotência. Tentamos nos equilibrar diariamente entre lutar ferozmente pela sobrevivência e arrumar tempo para o outro, mas na prática, o outro vai ficando para depois. Nunca fomos tantos no mundo, apesar de sermos tão pouco coletivos. "Fourteen" é uma obra exemplar desse mórbido caos em que vivemos. Por isso, Dan Sallitt é um diretor daqueles para ficarmos muito atentos. 

Visto na cabine de imprensa, no Espaço Itaú de Cinema 3, em 26/07/2019.
Cotação 4 e meio/5


Comentários

  1. Bela crítica ... está se superando ..... abrços Trotta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado mestre! Suas palavras me motivam a continuar!

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Quero saber o que você achou do meu texto. Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

ERA UMA VEZ NO OESTE (1968) Direção de Sergio Leone

Leone e a desconstrução dos mitos épicos e cinematográficos do Velho Oeste Texto de Marco Fialho Depois que John Ford realiza "No tempo das diligências", no ocaso dos anos 1930, o faroeste atingirá um período de grande sucesso perante ao público. As décadas de 1940 e 1950 serão de grande ápice do gênero. O chamado cinema de faroeste nada seria se não fosse pelas hábeis mãos de dois diretores fundamentais, que estabeleceram os códigos seguidos por uma legião de cineastas: John Ford e Howard Hawks. Essa dupla ratificou os preceitos básicos tanto narrativos quanto estéticos, além de continuarem significar e ressignificar ano após ano os principais códigos do gênero. Porém, foi justamente no momento em que o faroeste perdia mais sua energia vital que lá pelos anos 1960 surgiu o chamado "Western Spaguetti", que mesmo realizado na Europa, revisitou e revisou alguns dos cânones sagrados revigorando um gênero que parecia perecer. Nomes como Sergio Sollima, Giulio Petroni, G

SOLARIS (1972) Direção de Andrei Tarkovski

Sinopse: O cosmonauta e psicólogo Kris Kelvin (Donatas Banionis) é enviado à estação espacial Solaris, para investigar o que levou a tripulação à loucura. Ao chegar ao local, ele começará uma viagem inesperada aos recessos da sua própria consciência. O homem e seus espelhos Texto de Marco Fialho Com "Solaris", Tarkovski dá uma guinada na carreira ao se enveredar pela primeira vez no universo filosófico da metafísica e de maneira irreversível. O filme é baseado no livro homônimo, publicado em 1961, do famoso escritor polonês de ficção-científica Stanislaw Lem, embora guarde diferenças inconciliáveis com a obra de Tarkovski, em especial no enfoque mais voltado para o Planeta Terra e seus habitantes, o que torna a questão alienígena no Planeta Solaris quase imperceptível na trama do filme. O que Tarkovski faz é subverter a obra literária, criando uma obra cinematográfica a partir dela, dentro da crença do diretor de que o cinema deveria buscar uma autonomia de linguagem em relaç

STALKER (1979) Direção de Andrei Tarkovski

Sinopse: Em um futuro indefinido, um guia (stalker) conduz dois homens conhecidos como Escritor e Professor a uma área proibida, lacrada pelo governo, a "zona". Dentro dela há uma usina desativada onde existe um aposento que possui a propriedade de realizar os desejos de quem pode entrar nele. Texto de Marco Fialho "A arte não deve apenas refletir, mas também transcender; seu papel é fazer com que a visão espiritual influencie a realidade..."                    Andrei Tarkovski, em 'Esculpir o tempo" "...a fraqueza é grande,  enquanto a força é nada..."                                        pensamento de Stalker "... é melhor uma felicidade amarga, do que uma vida apagada e triste."                                    fala da esposa de Stalker Dentro da filmografia de Tarkovski, "Stalker" (1979) pode ser vista como um ápice tanto em relação às ideias de cinema quanto as de filosofia. E curiosamente é o último filme dele realiz